Anvisa conclui análise para autorização da CoronaVac; faltam dados

News

6/recent/ticker-posts

Header Ads Widget

header ads

Anvisa conclui análise para autorização da CoronaVac; faltam dados

 Instituto Butantan enviou documentação para uso emergencial da vacina



A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concluiu a triagem dos documentos submetidos pelo Instituto Butantan para autorização de uso emergencial da vacina CoronaVac.

Após a triagem de todos os documentos fornecidos, os técnicos da Anvisa verificaram que ainda faltam dados necessários à avaliação da autorização de uso emergencial. A análise constatou a falta de documentos técnicos previstos na norma do órgão e seis levantamentos que ainda não foram entregues.

O Instituto foi informado sobre a necessidade dos documentos complementares, essenciais à análise e à conclusão sobre a eficácia e a segurança da vacina.

Em continuidade ao compromisso de favorecer a transparência e a celeridade ao processo de avaliação das vacinas, a Anvisa elaborou um painel que permite acompanhar passo a passo o andamento da submissão de documentos e a análise dos pedidos de uso emergencial de vacinas para Covid-19.

Na medida em que as informações pendentes forem enviadas à Anvisa, bem como a análise dessas informações for sendo concluída, será possível observar a alteração da porcentagem de conclusão da avaliação de cada processo. O painel será atualizado em todos os momentos necessários.

Até o momento, o Instituto Butantan e a Fiocruz submeteram pedido de uso emergencial. Nas primeiras 24 horas, os documentos são triados e as desenvolvedoras são comunicadas quanto à completude das informações enviadas ou quanto à necessidade de complementação das informações previamente estabelecidas.

As vacinas que estão sendo desenvolvidas para combater o novo coronavírus são quatro: Butantan/Sinovac – que está com o maior percentual de documentação concluída (34,58%) ; Fiocruz/ Astrazeneca, que está mais atrasada na fase de documentação (19,88% de conclusão); Janssen (21% da documentação) e Pfizer (34, 45%).



FONTE: 


Postar um comentário

0 Comentários