Covid-19: Aplicativo vai identificar pessoas próximas que testaram positivo para a doença

PUBLICIDADE

Covid-19: Aplicativo vai identificar pessoas próximas que testaram positivo para a doença



Em até 24 horas, uma pessoa poderá saber, por meio de um alerta no celular, se alguém próximo esteve ou não infectado pelo novo coronavírus nos últimos 14 dias. É o que promete o aplicativo Coronavírus-SUS, anunciado pelo Ministério da Saúde, em parceria com o Google e a Apple, na última semana (31). Segundo a pasta, o monitoramento da doença é importante para o controle da pandemia e para a retomada segura das atividades.

A tecnologia utilizada no app é a “API Exposure Notification”, que já vem sendo usada em países como Alemanha, Itália e Uruguai. Essa técnica de rastreamento de casos positivos da Covid-19, segundo o Ministério da Saúde, será um fator essencial da transição da população para a rotina pós-isolamento social e, ao mesmo tempo, de gerenciar o risco de novos surtos.

“Antes de chegar ao Brasil, essa tecnologia amadureceu muito. Antes de adotá-la, nosso sistema passou por um crivo internacional, que fez uma série de alertas e ajustes necessários antes de o aplicativo ficar disponível para ser baixado”, explica o diretor do Departamento de Informática do SUS, Jacson Venâncio de Barros. 

No Brasil, apenas o Ministério da Saúde terá licença para usar a funcionalidade desenvolvida pelo Google e pela Apple. Com o envio criptografado das informações de contágio, por meio do uso do bluetooth de baixa energia, o aplicativo reconhece contatos próximos a uma distância de 1,5 a dois metros e por um tempo mínimo de cinco minutos entre smartphones que possuam o aplicativo instalado. Nenhum dado de geolocalização, incluindo dados de GPS, é coletado. 

Governo Federal já investiu mais de R$ 1,6 bilhão em habilitação de leitos de UTI, diz Ministério da Saúde

O ministério esclarece, ainda, que para receber notificações de contato próximo com usuários positivos para Covid-19, é necessário que o interessado tenha o aplicativo e habilite a função de notificação de exposição no aparelho. O aplicativo funciona apenas com outras pessoas com o aplicativo oficial instalado. Se a pessoa optar por parar de receber as informações, basta desativar as configurações no aplicativo ou até mesmo excluí-lo, a qualquer momento. 

Privacidade 
Uma das preocupações relatadas por usuários era sobre a privacidade dos dados, já que é o próprio infectado que insere as informações no aplicativo. Funciona assim: a pessoa com resultado positivo para a doença informa no aplicativo Coronavírus-SUS, de forma voluntária e anônima, a validação do seu exame positivo para a doença (PCR ou sorológico). O dado é inserido a partir de um token (código de números) emitido pelo Ministério da Saúde. 

Segundo a pasta, para evitar informações falsas, antes de gerar esse código, o órgão faz o cruzamento entre o exame informado pela pessoa e os registros integrados da plataforma de vigilância (e-SUS Notifica) e da Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS), ambos integrados e que reúnem informações dos pacientes com Covid-19 no Brasil.

“É importante destacar que a privacidade será garantida. Eu não vou saber quem foi a pessoa com a qual eu tive contato, e que possivelmente esteja doente. O usuário apenas vai tomar conhecimento de que teve contato com alguém infectado”, garante o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco. 



Em caso de alerta positivo da doença para os usuários do aplicativo, Elcio Franco detalha o procedimento. “A orientação é a mesma de quem teve algum sintoma. A pessoa deve tomar os cuidados, as medidas de higienização, de etiqueta respiratória – com o uso da máscara –, e, ao surgir algum sintoma, procurar a rede de atenção básica para buscar orientação médica.”

Para a infectologista Joana D'arc, o aplicativo é uma ferramenta interessante. Na luta contra o coronavírus, a médica considera que toda tecnologia é bem-vinda. “Todas as ferramentas que possam aumentar a prevenção, o distanciamento social e que as pessoas evitem exposição são úteis. A única questão é que vai depender da vontade da pessoa de inserir no aplicativo se o exame foi positivo ou não. Tem que ter uma campanha de conscientização para que as pessoas utilizem esse meio como forma de auxílio no combate à pandemia”, frisa. 

Funcionalidade do aplicativo
O servidor público Misael Costa, de 40 anos, foi uma das vítimas da Covid-19. Em julho, ele e a esposa apresentaram os sintomas da doença, como febre, falta de ar e perda do paladar e do olfato. O casal, que tem um filho de cinco anos de idade que não foi infectado, se manteve em isolamento durante o período indicado, de 14 dias, sem contato externo. Ao ser questionado sobre o aplicativo, Misael acredita que não há muita funcionalidade, já que ele pode gerar preconceito com quem contraiu a doença. 

“Vislumbro pontos negativos, e até mesmo um paradoxo, tendo em vista que a iniciativa deve partir de quem teve a doença. Isso pode gerar uma falsa percepção da realidade, uma vez que, não sendo alertada, a pessoa pode acreditar que ninguém próximo está infectado”, avalia. 

Para o servidor, o alerta poderia até gerar uma situação de “pânico”. “Isso porque, ao ser alertado que alguém próximo testou positivo, sem saber ao certo quem seria, levaria a um quadro de desconfiança geral”, pontua. 

O app reconhece contatos próximos a uma distância de 1,5 a dois metros e por um tempo mínimo de cinco minutos entre smartphones que possuam o aplicativo instalado./ Crédito: Érica Passos

Já o engenheiro elétrico e de segurança do trabalho Marcos José, de 48 anos, acredita que o aplicativo é uma boa saída. Ele também testou positivo para o vírus – não apresentou sintomas – e opina que a tecnologia pode ajudar no mapeamento e prevenção da doença. “Eu acredito nesse aplicativo. Com ele, acho que temos condição de identificar um mapeamento mais preciso e evitar o contágio de muitas pessoas”, defende. 

Marcos José cita como a melhor “arma” para prevenção o exame. “Somente com o teste a gente sabe se está infectado ou não, pois muitos assintomáticos estão contaminados e não sabem. Acho que o governo tem que investir no teste em massa, só assim a gente vai controlar e saber”, argumenta.  

Segundo dados das Secretarias de Saúde dos estados, o Brasil já acumulava 2,7 milhões de casos positivos da Covid-19 e quase 95 mil mortos até 4 de agosto. Na opinião do engenheiro Marcos José, com o aplicativo em mãos ainda no início da doença, talvez esse resultado poderia ter sido amenizado. “Se a gente tivesse o aplicativo em mãos antes, com certeza teríamos informações e poderia ter evitado, teríamos mais cuidado usando EPIs e mantendo distanciamento. Mas reafirmo sobre a importância dos testes. Eu sou um caso vivo. Se não tivesse feito o teste, estaria levando a vida normalmente, trabalhando, convivendo em família e transmitindo o vírus”, reforça. 

A infectologista Joana D’arc destaca o ponto principal, na opinião dela. “Espero que a população tenha essa consciência e esse altruísmo de proteger o próximo e lançar as informações solicitadas pelo Ministério da Saúde”, finaliza. 


FONTE: BRASIL 61

Postar um comentário

0 Comentários